Nome social: Democracia respeita as diversidades

Desde 2018, eleitores transexuais e travestis podem solicitar a inclusão do seu nome social no título de eleitor e no caderno de votação

Desde 2018, eleitores transexuais e travestis podem solicitar a inclusão do seu nome social no título de eleitor e no caderno de votação

Me chame pelo meu nome! Visando garantir a identificação desejada de transexuais e travestis a justiça eleitoral prevê desde abril de 2018 por meio da  Resolução nº 23.562/2018 a utilização do nome social no título de eleitor, nas urnas eletrônicas (no caso de candidatos) e nas certidões emitidas pela justiça eleitoral.

Nome social é aquele que designa o nome pelo qual o transexual ou travesti é socialmente reconhecido. Nas Eleições de 2018 foram 6.280 eleitores que utilizaram o uso do nome social em todo Brasil.

A inclusão do nome social e a atualização da identidade de gênero podem ser feitas no cartório ou posto de atendimento que atenda à zona eleitoral do interessado. Basta apresentar um documento de identificação com foto no ato da solicitação.

Além de garantir a identificação desejada, o nome social visa assegurar tratamento digno ao eleitor. O nome registrado pelo cidadão constará também das folhas de votação e dos terminais dos mesários nas seções eleitorais, de modo a favorecer uma abordagem adequada à individualidade do eleitor.

É papel da Justiça Eleitoral zelar pelo respeito às diferenças e atuar para que o exercício da cidadania se dê livre de embaraços e preconceitos. 

Serviço:
Assessoria de Comunicação: (96)2101-1504 (ramal 1504)/ (96)98406-5721
Portal: www.tre-ap.jus.br
Facebook: TRE Amapá
Instagram: @tre_amapa
Twitter: @treamapa

Últimas notícias postadas

Recentes